Eduardo Paes recebeu R$ 11,4 milhões em caixa dois para campanha, diz delator

0

O ex-prefeito do Rio Eduardo Paes (PMDB) recebeu R$ 11,4 milhões via caixa dois durante a campanha eleitoral de 2012. A informação consta da delação premiada que o marqueteiro Renato Pereira, da Prole Serviços de Propaganda, firmou com a Procuradoria-Geral da República (PGR) e poderá ser homologada a qualquer momento pelo ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), segundo reportagem do jornal O Globo deste domingo (5).

Ainda segundo o delator, que terá que pagar uma multa de R$ 1 milhão a R$ 2 milhões pelos crimes confessados, Eduardo Paes, prefeito e então candidato à reeleição, avisou que o publicitário será procurado por Leandro Azevedo, à época executivo da Odebrecht, para que recebesse, em 2012, R$ 1,2 milhão.

Pedro Paulo, Pezão e Eduardo Paes, representantes da cúpula do PMDB fluminense, aparecem na delação do marqueteiro Renato Pereira
Pedro Paulo, Pezão e Eduardo Paes, representantes da cúpula do PMDB fluminense, aparecem na delação do marqueteiro Renato Pereira

Oficialmente, a campanha de Paes foi orçada em R$ 8,6 milhões, em valores declarados, mas o custo real com serviços de marketing chegou a R$ 20 milhões. O custo real foi definido em reunião com Paes, e com o então coordenador da campanha, deputado Pedro Paulo (PMDB). Os pagamentos a Renato Pereira, segundo a delação do publicitário, eram feitos a ele por Guilherme Schleder, que integrava a Casa Civil da prefeitura.

De acordo com a reportagem, o esquema voltou a se repetir em 2015, quando Pedro Paulo foi candidato à sucessão de Paes. Uma das fontes de pagamento era Fernando Duba, assessor do candidato, e Bernardo Fellows, então sub-chefe de gabinete de Paes. Outras duas fontes identificadas pelo delator são o ex-secretário estadual de Saúde no governo de Sérgio Cabral, Sérgio Côrtes, preso na Operação Lava Jato, e as empresas de Jacob Barata, conhecido como “Rei do Ônibus”.

“Rei do Ônibus” bancou maior parte da campanha de Pezão

Renato Pereira esteve envolvido na pré-campanha do governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) e contou aos investigadores que os valores iniciais, R$ 5 milhões, foram bancados em sua quase totalidade por Jacob Barata, em reunião com a presença de Cabral e do ex-secretário Wilson Carlos. De acordo com a delação, os valores reais da campanha de Pezão em 2014 chegaram a R$ 40 milhões, enquanto o declarado foi de R$ 21,8 milhões. Já a campanha de 2010 de Sérgio Cabral ao Governo do Estado teve custo real de R$ 12 milhões e o declarado ao Tribunal Regional Eleitoral foi de pouco mais da metade desse valor, R$ 6,3 milhões.

 

Deixe sua Resposta!

(Os comentários não representam a opinião do site. A responsabilidade é do autor do comentário).